terça-feira, 24 de agosto de 2010

Janela aberta para o mundo...


Tem dias que a gente amanhece meio assim, mais pra lá do que pra cá. Parece que a cama é um ímã poderoso. Se deixar a gente vai ficando... Esse negócio de férias nos acostuma muito mal, pra pegar no tranco de novo não é moleza, justamente por causa da moleza! Mas o que ameniza a minha culpa é o fato de ficar lendo até tarde... Aí, pela manhã, dá uma preguicinha!!!

Mas as frestas de sol entrando através da persiana vêm reclamar atenção, instigam nossa mente e nosso corpo a reagir. Afinal o astro rei é poderoso mesmo, impossível permanecer alheia àqueles delicados, mas incisivos raios de luz! Sem contar a cantoria que os bem-te-vis aprontam em minha janela... Esplendido!

E num salto me ponho de pé. Kafka que me perdoe, mas recuso deixar-me metamorfosear. Se eu ficar deitada até tarde, aí sim, vou me sentir uma barata medonha!

Como sempre faço vou até a cozinha pegar um copo de água para tomar meu Euthirox 75, rotina farmacológica que, segundo o médico endocrinologista, me acompanhará por toda minha doce vida. O que seria de nós sem os avanços da medicina! Minha tireóide agradece.

Ainda com o copo na mão vou até a sala e ligo a TV, essa janela aberta para o mundo!

Dizem algumas almas, muito voltadas à praticidade, que olhar para o céu é um desperdício e que olhar para o lado será bem mais proveitos... Eu hoje cheguei à conclusão que assistir televisão, dependendo daquilo que você assiste na televisão, é da ordem de buscar a liberdade e se aprisionar mais ainda, é buscar na superficialidade suprir necessidades profundas... Bate uma frustração!

Há tempos atrás eu era mais paciente em me colocar diante da TV. Agora, talvez pela idade, acho que estou mesmo ficando velha (ta bom, mais madura!) e isso é ótimo, perdi a paciência, e descobri que perder a paciência às vezes é ótimo, agora faço isso sem culpa, igual criança. Tenho a impressão, que se eu me puser a assistir certas programações de TV, minha vida estará indo pelo ralo e que a televisão é uma máquina de moer vidas. Talvez o termo melhor seja sugar vidas.

Sei que temos o abençoado controle remoto e com ele podemos escolher o canal e a programação que pretendemos deixar entrar em nossa privacidade doméstica. O problema é que às vezes, dependendo do horário, não temos opção. E tome programas que misturam de tudo, culinária, fofoca sobre a vida de artistas, telejornalismo sensacionalista, tele-shopping onde vendem de tudo, até a mãe em 10 parcelas sem juros, e sem necessidade de consultar o seu cadastro.

E os desenhos animados então! Já notaram como estão medonhos! Monstros e mais monstros! Horrorosos! Fico imaginando que se a historinha do Chapeuzinho Vermelho é tida por alguns como nociva ao desenvolvimento saudável das crianças, o que dizer então desses desenhos produzidos hoje?!

Estou mesmo sem paciência... Graças a Deus!

Mas não quero radicalizar minha negatividade sobre a programação da TV. Existe uma programação em canais como a TV Educativa, TV Cultura, Canal Futura, TV Senado, TV Câmara, TV Assembléia e algumas outras, que têm colocado no ar uma gama de reportagens, entrevistas e documentários que além de boa informação têm resgatado a memória política, cultural, cinematográfica, literária, social, do País. Além de não seguirem a linha sensacionalista, característica dos canais ditos “comerciais”.

Acompanhei recentemente uma reportagem, na TV Câmara, com a ex-guerrilheira brasileira Vera Silvia Magalhães, militante revolucionária no período do regime militar. Ela sofre até hoje com as várias sequelas deixadas pela tortura a que foi submetida no decorrer de meses consecutivos após sua prisão durante o regime.

Fiquei aterrorizada e ao mesmo tempo encantada. Aterrorizada com o testemunho vivo de uma vítima da tortura e do exílio político, e encantada por ter a oportunidade de assistir através da TV entrevista extremamente importante para resgatar a história política de nosso País.

Na mesma linha de programação assisti em outra oportunidade um documentário sobre o “suicídio/assassinato”, em outubro/1975 no DOI/CODI/SP, do jornalista, professor e teatrólogo, Wladimir Herzog, acusado de possíveis ligações com o PCB.

Portanto, tenho tido a oportunidade de assistir matérias de qualidade, e não vou agora somente jogar pedras na programação televisiva com a qual podemos contar.

Porém, não percamos de vista que os canais comerciais são um grande filão econômico explorado por poderosas organizações. Mantêm uma hegemonia que, em se tratando de mídia televisiva, são grandes responsáveis pela formação da opinião pública. Se esse tipo de mídia dita que, o que está em voga no momento é um determinado caso policial, esse caso policial é o que será notícia por um bom tempo; até o momento em que essa mesma mídia resolva mudar o prato do dia em matéria de notícia. E o termômetro para mudar o tal prato do dia é a AUDIÊNCIA. Enfim, é o antigo, mas eficiente, TUDO POR DINHEIRO! Sem contar os interesses políticos que com certeza, por trás das câmaras, ditam as regras do jogo!

Assistindo a programação dos canais comerciais de TV, tem-se a constatação de como a mídia televisiva foi, e ainda é, instrumento de manipulação, alienação e dominação da grande massa da população. Sua programação tendenciosa em busca de melhores índices de audiência denuncia isso abertamente...

Enfim, desliguei a TV na cara da Ana Maria Braga e seu pudim de claras. Fechei bem as persianas e, ao som dos bem-te-vis, dormi mais um pouquinho, afinal estou de férias, o quê é que tem acordar uma baratinha uma vez na vida...?!

Quem quer casar com a senhora baratinha, que tem fita no cabelo... zzzzzzzz....

Izabel Lisboa

Um comentário:

LILIANE disse...

Izabel, minha querida.
Que gostoso é estar aqui.
Bom mesmo foi perceber que existem mais pessoas que pensam exatamente como eu a respeito da tv e sua forte influência na vida das pessoas.
A solução que adotei para não ficar tão frustrada foi a de ler um livro, aprender um pouco mais na internet, conhecer "blogs interessantes" como o seu, rsrs.
Tem gente que acha estranho o nosso costume de não ficar vidrado na tv.
Colho bons resultados com isso. Os meninos são compreensivos e muito pouco consumistas.
É sempre uma questão de escolha. Será que estou certa?
Grande abraço.